Pesquisadores da UFRGS desenvolvem protetor solar à base de arroz

Pesquisadores da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) estão desenvolvendo uma fórmula de protetor solar que contém um componente da produção agrícola local: óleo de arroz. Além de valorizar uma matéria­prima genuinamente gaúcha, o novo uso melhora a eficiência na proteção da pele dos agricultores familiares do Estado. A tecnologia será repassada, por meio de convênio de cooperação técnica, ao Lafergs para a produção do protetor solar e distribuição gratuita a 100 mil agricultores familiares.

A pesquisadora da Ufrgs Sílvia Guterres explica que o óleo de arroz tem ação antioxidante, que reduz a velocidade de envelhecimento das células, e efeito emoliente. “É um componente a mais na proteção contra a radiação”. Segundo ela, o aditivo não é caro e não implicará maior custo. O fornecedor do ingrediente é uma empresa de matéria­prima cosmética. O trabalho vem sendo desenvolvido há quatro meses e deve se prolongar por mais um semestre.

A farmacêutica Juliana Lazzari Medeiros, mestranda da Ufrgs, acrescenta que o óleo de arroz pode ser benéfico em tratamentos para doenças de pele tais como dermatite atópica e psoríase, pois forma uma barreira e faz diminuir a perda de água. “É um produto com características sensoriais adequadas ao público, como o toque seco”, explica. Para a escolha dos materiais a serem utilizados na fórmula, três fatores foram levados em conta: tendências de mercado, ciência e custo. Contudo, ainda não foi definido o volume que será fabricado, pois é preciso registrar o produto na Anvisa, explica o diretor do Lafergs, Paulo Mayorga Borges. Segundo ele, a expectativa é de que o produto distribuido no campo seja substituído pelo de fabricação própria do Estado até o fim de 2015. O programa, em execução desde junho, tem como meta distribuir 300 mil unidades nos primeiros 12 meses.

Propriedades

Extraído do farelo de arroz, o óleo contêm altas concentrações de componentes ricos em antioxidantes, tais como vitamina E e gama­orizanol, o que pode ser útil para formulações tópicas com ação antienvelhecimento e hidratante.

Fonte: https://www.ipele.com.br/revista/8598/pesquisadores-da-ufrgs-desenvolvem-protetor-solar-%C3%A0-base-de-arroz