Hiperhidrose

O que é a hiperhidrose?

A hiperhidrose é uma doença que provoca uma sudorese excessiva, e pode se manifestar em uma ou mais áreas, como axilas, palma das mãos, rosto, cabeça, sola dos pés e virilha. A doença tem um impacto profundo na vida do paciente, e pode levar ao isloamento social e à depressão. Embora a hiperhidrose atinja 176 milhões de pessoas no mundo e ofereça diversas possibilidades de tratamento – como injeções de toxina botulínica, iontoforese e medicamentos orais – a falta de informação ainda é um importante obstáculo a ser superado, pois a população em geral desconhece a doença.

Como se manifesta?

As áreas mais atingidas pela hiperhidrose são mãos, planta dos pés, axilas, região inguinal e perineal. Quando afeta a planta do pé, pode favorecer o desenvolvimento de micoses.

Em geral, o suor não tem cheiro desagradável, mas frequentemente, a hiperhidrose cursa com bromidrose (odor desagradável), por causa da proliferação de bactérias que utilizam os componentes do suor e restos celulares como substrato alimentar. Pessoas acometidas pela hiperhidrose podem padecer de sofrimento e constrangimento intensos por causa do suor excessivo, e enfrentar enormes dificuldades na vida profissional e pessoal, com risco de evoluir para um quadro depressivo.

Como tratar?
A maioria dos pacientes consegue sucesso no tratamento com soluções tópicas. Os demais casos podem ser conduzidos por meio do emprego da toxina botulínica, da iontoforese, da aspiração das glândulas e da cirurgia dos nervos (simpatectomia). Veja algumas opções:

  • Iontoforese – terapia que usa um aparelho elétrico (a bateria) que procura neutralizar as glândulas sudoríparas por meio de correntes iônicas. O paciente deve colocar o aparelho no local afetado (palma, planta ou axila) uma a duas vezes ao dia por tempo médio de 15 a 30 minutos.
  • Toxina botulínica – excelente método, porém transitório. Consiste em aplicar a toxina nos locais afetados, por meio de injeções. A área a ser tratada é previamente anestesiada. A toxina age bloqueando os estímulos nervosos para as glândulas.
  • Cirurgia dos nervos simpáticos (simpatectomia) – reservada para casos rebeldes a outras formas de tratamento. Consiste na corte de alguns nervos simpático para reduzir a atividade das glândulas.
  • Aspiração das glândulas – excelente técnica cirúrgica para o tratamento da hiperidrose axilar. É um procedimento realizado com anestesia local e com desconforto pequeno. O sucesso chega a 80-90% dos pacientes e o resultado começa a ser verificado entre dois e oito meses.

 

fonte: sbcd.org.br