Pele sensível e sensibilizada – post 2 de 5

  • Disfunção da barreira cutânea: A função de permeabilidade da barreira cutânea depende da integridade do estrato córneo da epiderme, dos lipídeos intercelulares (colesterol, ceramidas e ácidos graxos livres) e da organização das camadas lipídicas multilamelares entre os corneócitos.

Qualquer alteração neste equilíbrio, como a diminuição da camada lipídica, levará à maior permeabilidade do estrato córneo com consequente aumento da penetração e absorção percutânea de substâncias irritantes que acabarão por estimular ainda mais o sistema imunológico cutâneo. Além disso, com a função de barreira comprometida, as terminações nervosas ficarão menos protegidas e mais expostas, sendo mais facilmente estimuladas por agentes irritantes e fatores ambientais. 

Desta maneira, percebemos que o prejuízo da barreira cutânea exalta ainda mais os outros 2 mecanismos apresentados. Inicia-se com a penetração anormal de substâncias na pele, desencadeando uma reação inflamatória.

Os sintomas variam de acordo com o indivíduo e a área afetada. O local mais acometido é a face, especialmente o sulco naso labial, por ser uma área mais exposta a cosméticos, com barreira cutânea mais frágil e com grande número de terminações nervosas. Outras áreas acometidas, por ordem de frequência, são: as mãos, o couro cabeludo, os pés, o pescoço, o dorso e as genitálias.

Logo após o uso do cosmético ou até alguns dias depois do uso, o paciente pode apresentar sensações de desconforto como prurido, ardor, irritação, aspereza e queima- ção. Há outros sinais clínicos que também podem ocorrer, facilitando o diagnóstico, como o eritema, telangiectasias, ressecamento, descamação, presença de pápulas, pústulas, vesí- culas, bolhas ou erosões.

 

Fonte: galena.com.br