Vitamina D: Como obter a dose certa da poderosa vitamina do sol

A famosa vitamina D é foco de diversas pesquisas que estudam suas fontes e benefícios. O nutriente, quando ativado na pele e nos rins, contribui com a saúde e proteção dos ossos, absorção do cálcio e funcionamento de uma série de órgãos. Mas, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, nos últimos anos, observou-se que uma grande parcela da população mundial apresenta níveis baixos desse composto. E por que será que isso acontece?

Bom, como uma das suas fontes mais potentes é a exposição à radiação ultravioleta, os países mais afetados pela deficiência da vitamina D são os mais distantes da linha do Equador, como o Norte da Europa, Estados Unidos, Canadá e Rússia. Outra curiosidade é que a falta da substância ocorre mais em centros urbanos do que rurais, isso porque, a radiação é bloqueada pelos vidros das casas e carros.

“O sol é essencial para os seres humanos e por esse motivo, recomenda-se o banho de sol de forma saudável e gradativa. Expor áreas cobertas como coxas, abdômen, costas, palmas e plantas, por 5 a 10 minutos diários, evita a sobrecarga de radiação em áreas que são cronicamente expostas”. Apenas durante esse tempo, as áreas citadas não precisam de protetor solar, todo o restante do dia, o protetor é indispensável, assim como o uso de chapéu, óculos de sol e roupas apropriadas. Em especial nos horários de maior pico de incidência de radiações (10h e 15h).

Sabemos bem que essa exposição ao sol de forma errada também pode causar doenças, como o câncer de pele, por exemplo. A adoção de práticas que minimizam a intensidade do banho de sol reduz a chance de desenvolver um câncer de pele em indivíduos de risco, ou seja, pacientes de pele e olhos claros, idade acima de 50 anos, com imunidade comprometida, antecedente familiar de câncer cutâneo e pessoas que trabalhem em áreas abertas.

A vitamina D, em menor escala, também pode ser encontrada em alimentos como: ovo, sardinha, atum enlatado e salmão. Em casos específicos, quando há insuficiência do nutriente, o médico pode indicar a suplementação por via oral.

Assim como sua falta, seu excesso pode ser prejudicial e caso aconteça uma reposição inadequada, o paciente pode apresentar problemas renais. Portanto, para manter o equilíbrio da vitamina D, procure sempre fazer um acompanhamento médico.

 

Fonte: alemdabeleza.com.br