DESODORANTE: DESCUBRA COMO O PRODUTO AGE NA PELE E OS MOTIVOS QUE O FAZEM EFICAZ OU NÃO

Sabe quando você usa um desodorante e, no final do dia, tem a impressão de que ele não foi eficaz para amenizar odores e suor? Por isso, é importante escolher o desodorante adequado para a sua pele.

Entenda como o desodorante age na pele

É importante entender que o odor característico das axilas não é causada pela transpiração, pois o suor é composto basicamente de água. No entanto, existem bactérias presentes nessa região que realizam a decomposição de algumas substâncias do suor, causando mau cheiro. Dessa forma, a função dos desodorantes é inibir a ação dessas bactérias.

Saiba por que o desodorante pode funcionar ou não

É importante entender que as causas para um desodorante não ser eficaz podem ser diferentes. Pode haver uma infestação de bactérias – a bromidrose, que provoca mau cheiro – ou problemas relacionados à transpiração excessiva – hiperidrose. No entanto, para ambos os casos, a falta de higiene é o principal motivo para desencadear essas características na pele. Os desodorantes não possuem a função de amenizar a transpiração, apenas de conter o mau cheiro, enquanto, para diminuir o suor excessivo devem ser utilizados antitranspirantes.

Veja como escolher o desodorante ideal para a sua pele

É preciso estar atenta à forma como o produto escolhido age. Isso porque algumas pessoas possuem a pele mais sensível e, por isso, devem optar por dermocosméticos sem fragrâncias para evitar irritação. Se você sofre de suor excessivo, prefira antitranspirantes, que mantém o local seco por mais tempo. E, caso perceba aumento na sudorese ao utilizar produtos em creme ou roll-on, escolha versões em spray ou aerosol.

 

Fonte: dermaclub.com.br

POR UM DIA A DIA MAIS LEVE: 6 DICAS FÁCEIS QUE VÃO MELHORAR O SEU RENDIMENTO NO TRABALHO

Ficar oito horas ininterruptas no trabalho, sem nenhuma distração, é praticamente impossível. Além das inúmeras dispersões do próprio escritório, a internet e as mídias sociais dificultam na hora de se manter focado nas tarefas diárias. Para tornar o seu dia mais leve, produtivo e aumentar o bem-estar durante o trabalho, separamos 6 dicas que vão melhorar o seu rendimento. Olha só!

1) Faça atividade física antes de trabalhar

Não há nada melhor para começar o dia bem do que fazer uma atividade física logo pela manhã. Assim, além de se livrar de menos um item da agenda, você vai perceber que a sua disposição e bom humor para encarar o resto do dia também vão ser maiores.

2) Organize o seu dia

Para não se sentir sobrecarregada com as pendências acumuladas, organize o dia por ordem de prioridade das tarefas e seja realista com o que pode ser feito. Dessa forma, você tem a sensação que tem as coisas sob controle – e isso já proporciona um grande alívio!

3) Faça intervalos regulares

Diversas pesquisas apontam que trabalhos intervalados são mais produtivos do que horas ininterruptas de produção. A dica é ter pequenos momentos de relaxamento ao longo do dia para descontrair e se manter mais focado. Vale parar 5 minutos para meditar, olhar o céu ou apenas levantar para pegar um copo d’água.

4) Coma os alimentos certos

Como alimentação e desempenho estão muito conectados, apostar nas comidas certas durante o trabalho fazem toda diferença na sua produtividade. Invista em opções ricas em antioxidantes, potássio e ômega 6 para se manter ativa durante o dia, como banana, frutas vermelhas, nozes, abacate, e, se bater aquela vontade por um doce, o chocolate amargo é uma ótima pedida.

5) Mantenha-se hidratada

A desidratação causa diversos sintomas no corpo, como irritação, cansaço, além de diminuir o desempenho cerebral. Então, para melhorar o seu bem-estar no escritório, tenha sempre por perto uma garrafinha de água.

6) Tenha um trabalho que você ame

Ter prazer com o que se trabalha impacta não apenas a vida profissional, mas também a satisfação pessoal. Assim, você consegue desempenhar a função com mais proatividade e ânimo e enfrenta os desafios que vão se colocar à sua frente com mais disposição, o que aumenta as chances de ser bem-sucedido na sua carreira.

Aproveite essas dicas para ter dias mais prazerosos!

 

Fonte: dermaclub.com.br

QUAIS SÃO AS DOENÇAS DE PELE MAIS COMUNS DURANTE O INVERNO? SAIBA COMO EVITÁ-LAS

As temperaturas baixas do inverno podem ajudar a desencadear diversas doenças, inclusive dermatológicas. Durante essa época, costumamos tomar banhos quentes e demorados, além de suarmos menos, o que diminui a proteção natural da pele, deixando-a mais seca e frágil.

Entenda por que o inverno favorece o desenvolvimento de doenças de pele

A pele costuma ficar mais ressecada no inverno, principalmente, por hábitos como tomar banhos mais quentes e demorados que acabam removendo a oleosidade natural da pele. Além disso, no inverno, suamos e produzimos naturalmente menos sebo, o que leva a uma redução do filme protetor natural da pele. Esse filme protetor, formado pelo suor e pelo sebo, é importante para proteger o corpo do frio, de bactérias, de fungos e poluentes do ar. Nessa época, ficamos propensos à irritação, ressecamento, coceira, perda de luminosidade, rachaduras e fissuras.

Veja quais são as doenças de pele mais comuns durante o inverno

Com o clima frio e seco, essa época do ano favorece o aparecimento de algumas doenças, já que ocorrem alterações na pele, tornando-a mais sensível e vulnerável. Entre as mais comuns, estão:

Dermatite atópica: é mais comum em crianças, principalmente as que apresentam algum tipo de alergia respiratória. Esses pacientes têm deficiências na barreira da pele e, consequentemente, apresentam uma proteção contra infecções e irritações reduzidas, agravando a desidratação da pele. A doença promove coceira e até lesões mais graves, que podem formar crostas e soltar secreções. Por isso, deve-se caprichar no uso de hidratantes específicos;

– Dermatite seborreica: conhecida pelo aparecimento de placas que descamam, como a caspa no couro cabeludo e/ou na pele, sendo mais frequente no rosto, tronco e costas. O problema acontece com mais frequência no inverno, devido aos banhos quentes e demorados, que se tornam frequentes;

– Psoríase: é uma doença inflamatória crônica, que pode acometer a pele, as unhas ou o couro cabelo e, em casos mais graves, afeta também as articulações. A hidratação adequada ajuda a aliviar as crises da doença.

Saiba quais são os cuidados necessários para evitar o aparecimento dessas doenças de pele no inverno

Para evitar o aparecimento de dermatites, psoríase e alergias na pele durante o inverno, são necessários alguns cuidados. Os mais importantes são:

– Não tomar banho demorado e com a água muito quente;

– Evitar o uso de buchas vegetais e de sabonetes comuns, que ressecam a pele;

– Não secar o corpo com toalhas ásperas e sempre fazer essa ação delicadamente, para não agredir a pele;

– Usar sabonetes neutros e hidratantes, que respeitem o pH da pele;

– Evitar esfoliantes, caso a pele já esteja sensível;

– Aplicar um hidratante específico para a sua pele, logo após o banho.

Além disso, é essencial ter o acompanhamento dermatológico no caso do aparecimento de qualquer uma dessas doenças, para que sejam recomendados os produtos e tratamentos adequados para as características da sua pele.

 

Fonte: dermaclub.com.br

Entenda o rejuvenescimento

Uma hora o processo de envelhecimento chega para todos. A pele fica flácida, o osso sofre remodelação, os tecidos gordurosos perdem o volume… Esta fase, apesar de contínua, inicia-se em idades diferentes e tem intensidades variada.

Por muito tempo, o mecanismo de adiar ou tratar a evolução do tempo era exclusividade da cirurgia plástica. Hoje, com o avanço da medicina estética facial, os procedimentos minimamente invasivos podem complementar e, até mesmo, adiar os cirúrgicos, e promovendo mais naturalidade aos resultados.

Como ocorre o envelhecimento?

O processo é complexo, atingindo todos os tecidos corporais. Costumamos dividir em 03 pontos principais. O envelhecimento ósseo, que causa a remodelação desse tecido com absorção de algumas áreas e deposição de outras. O envelhecimento adiposo, com queda e principalmente absorção de tecido adiposo facial. E o envelhecimento cutâneo, em que há diminuição da produção de colágeno, reabsorção do mesmo e danos externos à pele. O envelhecimento pode variar devido fatores genéticos ou ambientais, como exposição solar, alimentação ou tabagismo.

Qual a importância dos tratamentos preventivos?

 Os tratamentos preventivos conseguem combater danos precocemente, adiando o processo de envelhecimento e estimulando a reparação tecidual. No tratamento da pele, conseguimos diminuir os danos causando pela radiação solar, estimular a produção de colágeno, recuperar volume e combater linhas de expressão.

Os tratamentos minimamente invasivos podem adiar ou substituir a cirurgia plástica?

Os tratamentos minimamente invasivos podem adiar uma intervenção cirúrgica, pois são capazes de estimular colágeno, repor volume e tratar rugas de expressão. Mas, não podem substituir uma cirurgia, pois não possuem a mesma ação no corpo, devido a isso, atualmente, estimulamos a realização complementar de procedimentos.

Um pouco mais sobre os procedimentos minimamente invasivos na complementação da cirurgia plástica.

Na cirurgia, principalmente a ritidoplastia, não conseguimos tratar todas áreas que sofreram danos. Dessa forma, os tratamentos minimamente invasivos conseguem agir de outras formas, trazendo naturalidade aos resultados.

Como funciona o processo recuperação de ambos?

O procedimento cirúrgico precisa de 15 a 30 dias de recuperação em média, dependendo do procedimento realizado e estado clínico do paciente.

 Já a recuperação dos procedimentos estéticos é mais rápida, sendo que, a maioria dos procedimentos permite uma volta às atividades rotineiras logo após o tratamento.

 Existem casos exclusivamente cirúrgicos?

Sim. Existem casos em que só a cirurgia é a alternativa, mas isso não quer dizer que pessoas que não podem ou não desejam realiza-la, estão proibidas de se beneficiar de procedimentos minimamente invasivos.

Quais são os procedimentos minimamente invasivos mais realizados?

Em primeiro lugar temos a toxina botulínica, utilizada para promover o relaxamento em músculos específicos e assim combater as rugas de expressão. Em segundo, temos o preenchimento com ácido hialurônico que contribui para a harmonia facial dando volume a algumas áreas, tratando linhas e sulcos, hidratando a pele e mucosas.

Existem contraindicações?

Sim. Todo procedimento médico tem contraindicações. As principais são: pacientes com alergia a formulação dos produtos, gestantes, lactantes e pessoas com doenças neuromusculares. Lembrando que cada caso é único e, para um tratamento seguro, é necessária a avaliação individual de um dermatologista ou cirurgião plástico.  

 

Fonte: alemdabeleza.com.br

Como evitar os pés de galinha

Todas as pessoas possuem em volta dos olhos um músculo circular chamado orbicular. Quando ele se movimenta, repuxa a pele que o recobre. Isso pouco afeta quem é jovem, pois a cútis, rica em colágeno e com boa elasticidade, acompanha esse o músculo sem formar vinco. Entretanto, com o passar dos anos, as coisas mudam. A quantidade de colágeno, a hidratação e a elasticidade diminuem consideravelmente. É exatamente nesse momento que aparecem os primeiros pés de galinha e eles pioram progressivamente.

Trata-se de um processo normal, natural, esperado e praticamente inevitável, até o momento. Felizmente, na dermatologia já existem produtos e tratamentos extremamente eficazes para suavizar e, em alguns casos, retardar procedimentos mais invasivos como a cirurgia plástica. A seguir, algumas dicas preciosas que ajudam a evitar os pés de galinha e a identificar os principais inimigos:

O Sol
Envelhece a pele, pois danifica o colágeno e as fibras elásticas, piorando a sustentação e a elasticidade. Sol em excesso, sem proteção e em horários de pico acentua os pés de galinha. Os cuidados com a aplicação do protetor solar deverão ser redobrados na praia, piscina ou prática de esportes ao ar livre. Recomenda-se também usar óculos escuros de boa qualidade e com lentes grandes que filtram os raios ultravioleta.

A contração muscular
Contrair o músculo orbicular – ao redor dos olhos – também acentua as rugas.  Para evitar os pés de galinha, adquira o hábito de não mover desnecessariamente essa região. Em dias claros, use sempre óculos escuros, isso evita essa ação natural dos olhos para suportar a luminosidade excessiva.

O uso do cigarro
É consenso afirmar que o cigarro tem o poder de envelhecer, até mesmo mais que o sol. A explicação é bastante simples: a nicotina prejudica a circulação sanguínea, compromete a nutrição e a oxigenação da pele, danificando-a de dentro para fora. Além disso, quem fuma contrai repetidamente o músculo orbicular para evitar que a fumaça entre nos olhos, o que acentua as rugas.

A menopausa
Quando a mulher entra na menopausa a produção dos hormônios femininos diminui acentuadamente. São eles que ajudam a manter a saúde do colágeno e, por isso, passado esse processo, as rugas se acentuam.

O melhor tratamento vai depender de uma avaliação dermatológica bastante criteriosa e individual. Já existem no mercado, tratamentos estéticos para minimizar o aparecimento dessas rugas. Mas, não se esqueça que, somente um médico especialista é capaz de indicar e associar o tratamento adequado para cada tipo de pele.

Fonte:

Rejuvenescimento Íntimo

O tema pode parecer inusitado mas saiba que, segundo dados da ISAPS (Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética), o Brasil é recordista mundial em rejuvenescimento íntimo. Ficou curiosa? Bom, para esclarecer suas dúvidas e derrubar tabus, o Além da Beleza convidou a médica dermatologista Shirlei Borelli, uma das precursoras de rejuvenescimento íntimo no Brasil e especialista em uma das técnicas do procedimento, para um papo reto e esclarecedor sobre o assunto. Confira:

Para quem é indicado?

Em geral, para pacientes que notam perda de urina diante de pequenos ou grandes esforços, o que ocorre mais frequentemente após a menopausa. Em outros casos, para mulheres que desejam clarear a região genital, que escurece com a gravidez ou com a depilação. Ou ainda, corrigir flacidez dos grandes e pequenos lábios, aumentar a sensibilidade nas relações sexuais ou aumento da lubrificação da vagina.

Como é feito o procedimento não invasivo?

Realiza-se a limpeza do local e aplicação de anestésico tópico. Em seguida, o laser ginecológico  age na região externa para o clareamento, melhora da flacidez dos lábios e correção de lesões dermatológicas, se existentes. No caso da região interna, também pode ser tratada com aplicador específico, promovendo um aquecimento do local que levará ao estímulo de colágeno, aumento da lubrificação vaginal, melhora de sintomas como perda urinária e ressecamento.

Alguma contraindicação?

A princípio, qualquer mulher pode realizar o rejuvenescimento íntimo desde que os exames hormonais e de imagem estejam em dia e sem anormalidades. As exceções são portadoras de doenças ginecológicas não tratadas, como corrimentos, HPV e lesões ectópicas.

Dói?

Não. No caso do procedimento não invasivo, é indolor.

Como é a recuperação?

Imediata, a paciente pode retomar às atividades habituais no mesmo dia. Nos casos em que a região externa é tratada, pode-se fazer uso de cremes hidratantes no pós-laser.

Esse procedimento ainda é tabu?

Não existem mais barreiras com o rejuvenescimento íntimo. Trata-se de um novo caminho que visa trazer conforto, saúde, além de melhorar a autoestima.

Por falar em autoestima, o que muda?

Tudo, uma vez que melhora a parte funcional e estética dessa região.

Agora que você já tirou algumas dúvidas sobre rejuvenescimento íntimo é hora de quebrar a barreira do medo e agir.

 

Fonte: alemdabeleza.com.br

Nem tudo é toxina botulínica A

Todos querem realçar a beleza e na hora de recorrer aos tratamentos estéticos, surge um monte de dúvidas.

Entre as opções de tratamentos minimamente invasivos, está a toxina botulínica A. A ação da substância ao relaxar a musculatura depressora, previne e trata rugas leves, que são vistas com a nossa face em movimento. Já os preenchedores faciais de ácido hialurônico devolvem a projeção correta de cada ângulo, volume às áreas onde a gordura foi perdida e suavizando linhas mais pesadas. Em alguns casos, os procedimentos podem ser feitos juntos e apresentam ótimos resultados.

O bocão está em alta e é uma das regiões que mais geram dúvidas com relação aos tratamentos estéticos. Como nesse caso a intenção é dar volume e contorno, a toxina botulínica A não é a alternativa correta, esse efeito pode ser alcançado com  preenchimento labial de ácido hialurônico, por exemplo. . Mas, se o paciente desejar suavizar o “código de barras” ou as ruguinhas que ficam entre a boca e nariz, a aplicação de toxina botulínica A é permitida com cautela.

Nem sempre as rugas são o alvo exato dos tratamentos: O objetivo é sempre trazer a melhor versão do paciente. Assim, as aplicações também são feitas com a finalidade de restaurar a aparência descansada e a leveza da face.

Sobre a durabilidade do efeito, a toxina botulínica A age em média de quatro a seis meses e o preenchimento de um a dois anos, dependendo da área do rosto em que é aplicado, da técnica e produto utilizado, além do metabolismo e dos hábitos de cada paciente. Sempre lembrando que a visitinha ao dermatologista para a manutenção do tratamento é muito importante.

O sucesso dos resultados dos procedimentos depende de uma avaliação da face, que analisará a harmonia do rosto de forma global, ao invés de tratar regiões separadas. Um procedimento bem feito, traz leveza e jovialidade com naturalidade.

 

Fonte: alemdabeleza.com.br

Como tratar a hiperidrose

Todos os animais transpiram porque é assim que se mantém o equilíbrio da temperatura do organismo, que deve ser de cerca 36,5ºC. Em algumas circunstâncias essa temperatura aumenta, como em dias mais quentes, durante a prática de exercícios físicos ou mesmo em momentos de estresse emocional, então transpira-se mais para equilibrá-la.

Existem pessoas que transpiram quatro ou cinco vezes mais do que o necessário para manter a temperatura corporal e essa condição, de produção excessiva de suor, caracteriza uma doença chamada hiperidrose. Além do desconforto físico, a sudorese provoca marcas nas roupas e constrangimentos. A boa notícia é que é possível tratar a doença.

Normalmente, os primeiros sintomas surgem na infância e se agravam na puberdade. Em alguns casos, podem melhorar com o passar dos anos, mas há pessoas que sofrem com o problema por toda a vida.

Um dos tratamentos utilizados é a aplicação superficial de  toxina botulínica A  nas glândulas sudoríparas. Ela atua bloqueando a liberação da acetilcolina e, assim, reduzindo a produção de suor. Ou seja, durante o tempo de atuação da substância (cerca de 6 meses) pés, mãos ou axilas ficam sequinhos, além das roupas, que não ficam marcadas.

Para tratar a hiperidrose, o médico aplica o Complexo de Neurotoxina em diversos pontos para que a substância atue em toda a superfície. Na região da axila, o tratamento é praticamente indolor e na maioria das vezes é necessário apenas um anestésico tópico local. No caso das palmas das mãos ou planta dos pés, para aliviar o desconforto, os médicos usam técnicas anestésicas e analgésicas que tornam o procedimento bem tolerável.

Não se esqueça que o tratamento mais adequado para o seu caso deve ser discutido e avaliado com um médico especialista.

A HIPERIDROSE EM NÚMEROS

Estima-se que 176 milhões de pessoas no mundo sofram com a doença;

Quase 65% das pessoas que sofrem com o excesso de suor têm um parente próximo com o mesmo problema;

63% das pessoas com hiperidrose se sentem infelizes ou deprimidas;

51% dos pacientes afirmam trocar de roupa pelo menos duas vezes ao dia;

20% dizem tomar banho pelo menos duas vezes ao dia;

33% afirmam passar 15 minutos por dia ou mais tratando dos sintomas.

 

Fonte: alemdabeleza.com.br

Vilãs do envelhecimento

Só  de falar o nome já causa temor: as rugas profundas são aquelas que não desaparecem mesmo quando a face está em repouso e, para muitos, são grandes vilãs do envelhecimento. Quando chegam nesse estágio, é sinal de que o processo está avançado.

Esse tipo de ruga consegue ser diferenciada das superficiais, que são rasas e somem quando a pele não está em movimento.. Não há uma idade fixa para seu aparecimento. São mais frequentes após a quarta década de vida, contudo, quando as pessoas se expõem muito ao sol ou fumam, as vilãs do envelhecimento podem surgir mais cedo.

Esses hábitos são os grandes causadores do envelhecimento cutâneo. Movimentos de repetição, como aqueles que fazemos quando nos expressamos, se não forem tratados, também terminarão com fratura no colágeno, resultando nas rugas profundas e fixas.

O problema acontece quando a alteração chega à derme (camada intermediária da pele), que fica abaixo da epiderme, região onde se encontra o colágeno e a camada elástica. Quando essas camadas desestruturam, formam-se as rugas profundas.

Existem maneiras de atenuar e retardar o aparecimento das rugas profundas. Protetor solar e boa alimentação para combater radicais livres e oxidação são bem-vindos. Entretanto, não há solução que previna as rugas de forma definitiva. Para suavizar os sinais, os tratamentos dermatológicos são os mais indicados, entre os mais procurados, estão os menos invasivos. Conheça alguns deles:

Preenchimento: no tratamento realizado com ácido hialurônico, a substância é absorvida pelo corpo nas áreas necessitadas, por meio de aplicações.  Geralmente, não é preciso  anestesia, pois o procedimento é rápido e bem tolerado. Caso a paciente prefira, pode-se optar pelo creme anestésico.

Toxina botulínica A: injeta-se o produto na região afetada (como testa, ao redor dos olhos, entre as sobrancelhas e queixo) e o resultado é o bloqueio da liberação de acetilcolina – neurotransmissor responsável por transmitir as mensagens do cérebro para o músculo. Esse processo paralisa o movimento muscular e evita novas contrações, fato que impede o agravamento das rugas profundas.

Drenagem linfática: trata-se de massagens na região em que as rugas estão aparentes. Os movimentos feitos à mão ou por meio de aparelhos, reduzem a retenção de líquido e acionam o metabolismo.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre o que causa as vilãs do envelhecimento e os tipos de tratamentos, não se esqueça de consultar um médico de sua confiança.

 

Fonte: alemdabeleza.com.br

Como hidratar a pele seca

Os cuidados devem ser intensificados no outono e inverno

Ao  olhar-se no espelho, o reflexo é uma pele sem brilho, muitas vezes descamando? São características de uma cútis seca e a situação pode se agravar nas estações mais frias,  outono e inverno.

O principal cuidado é hidratar a pele seca.  Nessas situações, a barreira cutânea encontra-se danificada e mais susceptível à penetração de antígenos (partículas estranhas ao corpo humano). Esses antígenos podem fazer com que apareçam dermatites e inflamação.

Os produtos indicados são os que mantêm o manto hidrolipídico (filme que protege a pele das agressões externas) equilibrado. Loções hidratantes à base de manteiga de karité e ceramidas são ótimas. Também é interessante associar o uso de óleos, por exemplo, de amêndoas doces e de girassol, que favorecem uma boa lubrificação cutânea.

A má notícia é que a pele seca tem maior tendência às rugas e ao envelhecimento cutâneo. Isso porque tem pré-disposição para a perda da elasticidade e de líquido e, assim, as linhas tornam-se mais evidentes. O próprio envelhecimento implica na perda de uma substância fundamental na hidratação e na conservação da beleza da cútis que é o ácido hialurônico. A perda dessa substância pode ser reposta com os preenchedores faciais, que em sua fórmula contenham ácido hialurônico. Por essa razão o procedimento estético é capaz de promover o rejuvenescimento facial.

Os cuidados no cotidiano são essenciais para hidratar a pele seca e evitar o desenvolvimento de dermatites. Confira as dicas:

  • Não tome banhos quentes e prolongados. Opte sempre pela água morna;
  • Não use buchas ou esponjas e dê preferência para os sabonetes glicerinados ou brancos;
  • Evite sabonetes antissépticos, pois eles contêm um ativo que piora o ressecamento cutâneo;
  • Procure não ficar por muito tempo em ambientes com ar-condicionado, pouca ventilação e luz solar;
  • Sempre que possível, mantenha os ambientes arejados e faça o uso dos umidificadores de ar;
  • Consuma, no mínimo, dois litros de água por dia para manter um bom equilíbrio no organismo;
  • Passe hidratante no corpo todo logo após sair do banho, pois, dessa forma, a pele não fica com aquela sensação melada e os ativos penetram de maneira mais eficiente.

Fonte: alemdabeleza.com.br